Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A homossexualidade tem grau

Terça-feira, 13.09.11

Vamos cingir-nos à sociedade portuguesa e à Igreja católica. Durante séculos, isso mesmo sé-cu-los, a Igreja teve um papel primordial dentro da sociedade, papel esse muitas vezes negativo, outras tantas vezes positivo. Hoje essa sociedade evoluiu e a presença da Igreja na vida das pessoas diminuiu tanto quanto o obscurantismo que antes as prendia à mesma. Neste sentido, a Igreja tem procurado aumentar a sua intervenção em questões que são importantes para a sociedade, e essa interferência não é a mais do que a tentativa desesperada em manter o seu estatuto perante a mesma. Falemos agora da homossexualidade. Muitos acreditam que a homossexualidade é fruto da época contemporânea, contudo se estudarem a questão a fundo perceberão que esta forma de afecto é uma realidade de todas as épocas. O que acontecia era o seguinte: o amor entre duas pessoas do mesmo sexo era tabu e aqueles que se sentiam como homossexuais era obrigados a casar e a manter uma vida de aparência sob pena de ser completamente ostracizados. Hoje a abordagem à homossexualidade mudou e este tipo de relação é visto com muito mais naturalidade do que há anos atrás. A chamada discriminação continua mas atinge contornos muito menos graves. Juntemos então as duas questões: a homossexualidade e a Igreja. Recentemente a Igreja veio dizer que só aceitaria o divórcio num casal em que um dos cônjuges fosse homossexual consoante o grau dessa homossexualidade. E a esta decisão geral já de si ridícula e estapafúrdia juntou um conjunto de argumentos em que explica quais os critérios que vão ser usados para calcular o tal grau. Em traços gerais vai colocar numa balança quantas vezes é que a pessoa já se relacionou com alguém do mesmo sexo e contrapor esse número ao número de vezes que manteve um relacionamento heterossexual. Daí resultará a conclusão se é possível ou não a pessoa continuar a cumprir com os seus deveres matrimoniais. Enfim, há muito tempo que não ouvia uma coisa tão se nexo e apenas posso concluir: Na sua busca desenfreada em se manter activa, dominante e omnipresente, a Igreja é cada vez mais alvo de chacota dada a sua postura estrambólica e ridiculamente intransigente. Melhor seria se criassem um método para medir o grau de pedofilia de grande parte dos membros da Igreja, isso sim seria apoiado pela sociedade e salvaguardaria as crianças de um dos seus principais inimigos.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Lígia Laginha às 08:34





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Setembro 2011

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930




comentários recentes

  • Jaly

    Parabéns!Por um lado fico contente por ter alguém ...

  • Lígia Laginha

    "nunca no Continente tivemos, por muito maus que s...

  • Pedro Neves

    Pode haver aqui falsos moralismos, mas nunca no Co...

  • energia-a-mais

    Bem, concordo que este «Magalhães» não teve grande...

  • LauraBM

    Confesso que me diverti a ler este artigo.Ia inici...

  • Francys Rafael...

    Amor...e uma coisa inesplicavel.Acontece quando a ...

  • Janayna

    Amor e uma coisa maravilhosa.E gostar... e querer....

  • viagra without prescription

    Este é um dos blogs mais incrível Ive lido em um t...

  • kamagra

    Seu blog tem algumas das informações mais fascinan...

  • kamagra

    Seu blog tem algumas das informações mais fascinan...





subscrever feeds